terça-feira, 8 de março de 2011

Espécie ainda envergonhada

Quando nasci um anjo esbelto,
desses que tocam trombeta, anunciou:
vai carregar bandeira.
Cargo muito pesado pra mulher,
esta espécie ainda envergonhada.
Aceito os subterfúgios que me cabem,
sem precisar mentir.
Não sou feia que não possa casar,
acho o Rio de Janeiro uma beleza e
ora sim, ora não, creio em parto sem dor.
Mas o que sinto escrevo. Cumpro a sina.
Inauguro linhagens, fundo reinos
— dor não é amargura.
Minha tristeza não tem pedigree,
já a minha vontade de alegria,
sua raiz vai ao meu mil avô.
Vai ser coxo na vida é maldição pra homem.
Mulher é desdobrável. Eu sou.

Adélia Prado


Uma coisa que está me incomodando são essas propagandas de remédio para cólicas menstruais que fazem parecer que a mulher vira um bicho uma vez por mês. Parece sem grandes consequências e até cômico, mas pense: quando um empregador tem que escolher entre dois profissionais igualmente capacitados, um homem e uma mulher, qual dos dois será que ele escolheria para ocupar um cargo? Uma funcionária que se apresenta absolutamente descontrolada e raivosa uma semana a cada quatro deve ser muito menos produtiva, certo? Mais triste ainda é a mulher que se aproveita da tpm como desculpa para seus dias ruins (que todo mundo tem). Dessa forma, ela reforça o estigma e ainda dá motivo para a colossal injustiça que é o fato de as mulheres ainda ganharem menos que os homens numa mesma função.

No dia da mulher, aparecem várias imagens de mulheres exercendo "profissões de homem": bombeiras, mecânicas, caminhoneiras, presidentes. E de repente parece que o mundo é das mulheres e todas as lutas foram ganhas. Ora, já temos direito de votar, podemos exercer "profissões masculinas", já temos até "presidenta"! Queremos mais o quê?

Só o fato de terem de mostrar as imagens dessas "guerreiras" já mostra que o preconceito existe e é grande. Ninguém mostra foto de homens que exercem "profissões femininas". E provavelmente achariam muitíssimo indelicado fazer propaganda de negros exercendo "profissões de branco" e vice-versa. Não é?

E tem mais! Será que as mulheres que "lutam pelos seus direitos" são só as que resolvem seguir um caminho profissional em que são minoria? Será que as donas-de-casa, professoras primárias, enfermeiras e manicures deste mundo são "mulherzinhas"? Conformadas?

Não infantilizemos o feminismo. O que as mulheres querem não é ser aprendizes de homens. Nós temos um gênero próprio! A verdadeira revolução passa pela escolha da profissão, mas não se restringe a ela. Pra ser mulher de verdade, não é preciso ser superexecutiva nem rainha de bateria. Os sutiãs já foram queimados e voltamos usá-los. A luta só acaba no dia em que não precisaremos mais carregar bandeiras (ainda que metafóricas). Aceitar e ser aceita. Simples assim: "Sou mulher". Reconhecer suas forças e fraquezas e lidar com elas. Natural como um nascimento, inevitável como a morte. Antes de sermos engenheiras, esteticistas, advogadas, cozinheiras, empregadas, freiras, motoristas, somos mulheres. Vamos cumprir a nossa sina.

Somente na hora em que a genuína essência do feminismo for compreendida e aceita, a mulher vai poder pilotar o que bem entender - sejam espaçonaves ou fogões - sem precisar armar cavalos de batalha nem empunhar bandeiras.

22 comentários:

Edison Junior disse...

Puxa, Laila, que estranho a gente ver nossos pensamentos por escrito. Assino embaixo!

Sanger/Regnas disse...

Eu acredito que as propaganda hojem em dia tentam construir um mundo específico para as mulheres. E fazem isso tentando re-lembrar uma antiga tradição: O homem "racional" x a mulher "emocional" Uma tentativa de volta ao pressuposto de que a mulher é movida pelos sentimentos e, portanto, instável.

Depois de passarem o século XX lutando por direitos iguais, parece que as mulheres estão buscando a sua particularidade em relação aos homens. O marketing só se utiliza de um esteriótipo da mulher para vender. A questão é quando a mulher se identifica com a propaganda...

Abraços!

Sanger/Regnas disse...

http://globonews.globo.com/Jornalismo/GN/0,,MUL1652459-17665,00-MULHERES+OCIDENTAIS+E+ISLAMICAS+VIVEM+DILEMAS+PROPRIOS+DAS+SUAS+SOCIEDADES.html

Programa sobre o Dia internacional da mulher. Muito bom!

Marina disse...

E aquelas mulheres que exigem direitos iguais, mas esperam que o homem pague o jantar e o ingresso do cinema? Acho que tudo começa pelas nossas atitudes.

Ciro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
: A Letreira disse...

Laila querida, obrigada pela visita e pela simbiose... gosto quando tem gente que sente o mesmo que nós... mesmo que diferente! Beijo, Sô (a Letreira)

Frederico Toscano disse...

Opa, concordo com Marina lá em cima.
Aliás, me declaro um macho moderno fragilizado e destreinado...nem sei mais o que fazer num encontro com um ser humano do sexo oposto.

E se ela tiver de TPM eu corro, digo logo.

Ana B. disse...

Menina, quantas boas palavras. E você tem toda a razão a mídia prega muitaaa coisa errada sobre as mulheres, não só propagandas, mas também músicas né? Mas você disse tudo. Parabéns.

manuela barroso disse...

E subo o banquinho sim!
E não é que estou completamente de acordo?
Esta coisa de dia de...é porque nunca tem dia...E tem! Tem que ter!Todos!
Mas não é que o dia 1 de abril vai ser o dia do homem?
Aí como aqui...mulher não precisa de se afirmar! Ela afirma-se pelo que é, pelo que faz!
Mas cá para nós...algumas de nós pensam que só dando o grito do Ipiranga, se desforram!

E gostei mesmo muito da forma como expôs o seu raciocínio!
E...bom domingo!
Abraço!

Anônimo disse...

Muito bacana
chat tuga

Sempre Senhor Jesus disse...

Olá estou aqui para divulgar o blog sobre crianças especiais , talvez esse assunto nem seja interessante mais sou mulher e mãe e um dia parei de trabalhar fora para me dedicar ao meu filho. Se possível nos ajude , peço que divulgue o blog e clique nos
anúncios do google adsense para nos ajudar. http://muitoespeciais.blogspot.com/

Lisérgio E. de JPGR Virabossa disse...

"Somente na hora em que a genuína essência do feminismo for compreendida e aceita"...

Epa, epa, epa!!!! Onde está a "genuína essência" do feminismo??? Movimentos sociais - e o feminismo é um deles - são construções históricas e, portanto, temporal e localmente situados. Pretender buscar o que há de "genuinamente essencial" neles é perder-se nas cavernas do tempo, onde nada existe, exceto o próprio tempo. Essências??? Só as de perfumes franceses e maltes escoceses!!!! Vivemos! Experimentamos!!! Existimos!!!!!

Laila disse...

É verdade, Lisérgio.
Cada vez mais eu noto que não existe "o feminismo", mas sim "os feminismos" e o que é para mim essencial, pode não o ser para outras.
Porém, há certas aspirações, comuns a todas as feministas, que transcendem o tempo. A liberdade é uma delas. O fim do preconceito e direitos políticos iguais, idem. Eis aí (com outras aspirações junto) "a essência".
Agora, o que cada uma define como "liberdade" e o que faz dela é que muda (e muito!).

Nina disse...

Laila vc tem apenas 19 anos mesmo???

uau! escreve bem viu?!
só nao ganha da minha filha, afinal, bom, eu sou mae coruja né???

O post mostra problemas que existem há tanto tempo, incomoda mesmo o modo como a mídia nos trata até hj. Nao sei mais pra que caminho seguiu o feminismo que eu acreditava, tudo se perdeu, os valores estao invertidos, tudo tao difícil de entender, há uma nova lei nas ruas e ela nao é nada motivadora :-(

Um brasileiro disse...

oi moça. estive aqui dando uma leitura e olhada. muito legal. apareça por la. bjus.

Anônimo disse...

Acho que a questão do feminismo foi tão difundido às massas que como qualquer coisa que a massa apoie vai ser conturbado, contrariado,confundido em seu significado e essência. Houve uma divisão precipitada em que mulheres que escolhem profissões de homem sãO 'AS MULHERES DE VERDADE' e as outras não passam de meras qualquer outras mulheres sem expressividade :D
Gostei muito do seu blog =D Dá uma olhadinha no meu também ? http://desenhandocompalavras.wordpress.com/

Anônimo disse...

Oie Laila, Obrigado por ter passado no Desenhando com Palavras :D e claro fico agradecida pelos elogios. Meu nome é Amanda Figuerôa, muito prazer :D

Abner, disse...

oi, adorei seu blog.

passa lá no meu tbm: abnerlmesmo.blogspot.com

beijo

Flor disse...

Laila, concordo em basicamente tudo que você falou! Algumas coisas naõ entendi, por isso não posso afirmar, mas como a Marina falou, existem mulheres que esperam sair e ter tudo pago. Pera lá, temos que começar por nós mesmas!
Primeiramente, temos que nos respeitar, para podermos ser respeitadas!

Bento disse...

Ratificando: você escreve muito bem, senhorita.

[ É um elogio sincero :) ]

Diego Elias disse...

Parabénsss, muito bom, muito mesmo, adorei, você escreve muiiiito bem.
Continue com seu blog sempre rico...

Diego Elias
http://portifoliogradfisica.blogspot.com/

Fernando Cunha disse...

Como é que eu faço pra compartilhar isto no Facebook? Só copicolar o link mesmo?