quinta-feira, 27 de novembro de 2008

De capitais e orelhas

As vacas voam devagar, porque elas gostam é da paisagem
Mario Quintana

Já tem um tempinho que li em um blog [se o proprietário vier aqui me avise, mas realmente não me lembro qual foi] um texto no qual o moço dizia que gostaria de ler todas as orelhas de livros do mundo. Que esta seria a volta ao mundo dele.
Isto me lembrou de um ponto de vista que descobri depois de ler Júlio Verne. Eu iria detestar dar a volta ao mundo em 80 dias.
Não me entendam mal, não é que eu não goste de viajar. Mas eu acho que cada país tem tanto a se conhecer, explorar, descobrir, aprender, que uma passagem rápida [ou mesmo distante, no caso das aéreas] jamais seria suficiente para essa sede imensa que eu tenho do mundo. Seria como um único gole para uma garganta seca: só traz mais sede.
É a mesma coisa com os livros. Eu me imagino abrindo um livro, lendo a orelha, achando interessante e passando para o próximo. Não conseguiria. Nessa viagem superficial de orelhas e capitais, me perderia na vontade de ler o país inteiro, visitar o livro completo. E aquela saudade de certos livros e lugares que tantas vezes nos leva todas as férias à mesma cidade, e diversas vezes ao mesmo livro. Para quem quer conhecer tudo, seria perda de tempo.
Decorar passagens, descobrir lugares especiais além dos pontos turísticos: não há tempo, não há tempo!
Hoje, me imaginando no dia 81, de volta à minha casa, deitaria na minha cama, no meu quarto, lembrando da torre Eiffel e da de Pisa, da Estátua da Liberdade e das Pirâmides de Gizé e me sentiria incompleta. Talvez porque quisesse parar num café qualquer do Champs-Eliseés e olhar o tempo, porque gostaria de ter parado no pé da Esfinge até decifrá-la. Porque gostaria de ver tudo, e me contentaria com um único país que fosse. Se fosse para ser completo.
O mesmo para os livros. Ainda que fosse para ler somente um autor: ler tudo, entender, decorar.
Só o que é pleno me satisfaz.


Tá, não foi dos melhores que eu escrevi. O clássico da "boa idéia não devidamente aproveitada" mas dêem uma folga, minhas férias começam tecnicamente amanhã. Vai vir coisa melhor, garanto.

6 comentários:

sanger disse...

Acho que o que você disse se parece com o que sinto quando visito uma biblioteca. Livros, livros, livros, cada um tratando de um tema mais interessante do que o outro. No meio disso tudo estamos nós fazendo escolhas.

eu gosto é de macarronada disse...

Bem, orelha de livro é muito bom de ler. Eu gosto de gastar o tempo lendo as orelhas. Inclusive depois de descobrir que tem livro que as orelhas diz tanto quanto o livro inteiro e melhor ainda, afinal, não é redundante.

Marcio Sarge disse...

"Só o que é pleno me satisfaz"

A mim também. Orelhas de livros só me servem para querer mais e mais, devoro todo resto pelas orelhas.
Somos amantes dos livros, somos do tipo mais apaixonados e perdidos, não somos?
Eu sei que você, mocinha, é assim.
Por isso me sinto pleno aqui.

Beijos meu anjo.

Isabela disse...

tenho certeza q daqui a no maximo duas semanas teremos um texto beeeeeeeeeeeeem polemico
hauahuahuhaa
seria eu uma vidente?????
o texto ta bom colegah
num esquenta nao
;)

o curioso disse...

Poxa, duas semanas, vcs tão querendo me matar de curiosidade?

de fato a viagem que fazemos pelas orelhas não nos dão uma noção dos lugares. é preferível ir num lugar e conhecê-lo bem, do que ir a vários e conhecê-los pouco.

Marcus "OROCHI" disse...

Por essas e por outras que eu queria ter teletransporte. Ou pelo menos muito tempo livre. Como tempo é dinheiro, logo eu poderia ler qualquer livro e visitar qualquer país que quisesse. xD