terça-feira, 2 de junho de 2009

"Tá querendo"

Não entendo por que é que na nossa sociedade a mulher está sempre "querendo". Se um homem sai em camisa, está com calor. Se uma mulher sai de decote ou top, está "querendo". Se um homem vai ao baile funk é para se divertir. Se a mulher vai, é porque está "querendo". E o pior é que várias vezes são as próprias mulheres que dizem isto umas das outras.
Não vou fazer nenhuma dissertação a favor de tops ou bailes funk, pois não gosto de nenhuma das duas coisas. O fato é que a mentalidade machista já está tão enraizada que pensamos sem sequer questionar. Tem homem que acha que "gostosa" é elogio. O que é gostoso é comida, e tal sinestesia não me agrada nem um pouco.

Será que uma mulher que vai a um baile funk esta mesmo "querendo"? Será que por sair de minissaia ela dá a outrem o direito de compará-la a comidas e animais? Pode até existir quem goste desse tipo de comentário, mas não sei quem instituiu que isso é o senso comum e que qualquer um tem direito de mexer com uma mulher na rua. O pior é que não vale nem se revoltar. Imagina uma mulher abrindo um processo contra um homem que a chamou de gostosa. O juíz vai rir da cara dela.

Outra coisa que eu não entendo é como é que uma mulher que dança feliz da vida uma música que a chama de cachorra sai no tapa se você a chamar de cadela.

Entendo menos ainda por que é que um homem gostaria de ter uma cachorra por companheira.

Não entendo muitas coisas, mas uma é certa: nem toda mulher "está querendo". E a melhor forma de descobrir com certeza não é usar uma cantada barata.

16 comentários:

Antônia Burke disse...

Laila querida, é seguindo essa linha que a primeira pergunta que o delegado faz pra mulher estuprada é: "mas você estava com alguma roupa provocante?" - como se isso fosse absolver o bandido.
Por outro lado, tem mulher que, como vc diz, "tá querendo" mesmo...e é por isso que não dá pra reclamar quando vêm pro Brasil achando que qualquer mulher que esteja andando na rua é garota de programa.
Pra variar, texto ótimo. Fico curiosa com o motivo da inspiração..=)
Beijos

Marcus "OROCHI" disse...

A questão levantada no terceiro parágrafo é realmente uma incógnita...

Quanto ao fato da mulher estar "querendo"... bem, não sei, acho que pra sair quase nua pra um baile funk e passar a noite fazendo danças provocativas, a mulher tem que estar no mínimo preparada com que vai lhe acontecer. Muito falso moralismo uma mulher que faz isso ficar revoltada quando leva uma cantada.

É um assunto polêmico isso, rende bastante discussão.

P.S.: o Batman ta numa situação complicada msm... rs

Dalleck disse...

Assino embaixo. A sociedade contemporânea não está preocupada em questionar, apenas em seguir tendências, que a cada dia pioram o nível cultural das pessoas. O pensamento machista virou meio que uma regra moral para os idiotas, inclusive mulheres, que se auto-desvalorizam baseado nessas regras.

Falta no mundo integridade, mas pelo menos as pessoas dignas que ainda existem não decepcionam.

Laila disse...

"a mulher tem que estar no mínimo preparada com que vai lhe acontecer."
É este tipo de comentário que eu acho machista.

Sanger/Regnas disse...

Você colocou o paradoxo da mulher que dança uma música que a chama de cachorra, e não se sente ofendida, diferentemente quando ela é chamada de cadela.

Há também, na sociedade machista, um caso em que o pai observa as atitudes do filho e a filha e desenvolve percepções diferentes.

No primeiro caso, quando o filho arruma muitas "ficantes" numa mesma noite, o pai sente-se "orgulhoso" de sua cria. No entanto, o mesmo pai desenvolve uma relação diferente com a filha. Quando menos homens ela se relacionar melhor.

Estamos vivendo uma época de liberdade sexual. Os homens nunca souberam lidar com a sua liberdade, não me espanta que as mulheres, depois da revolução sexual dos anos 60, estejam preferindo ser desejadas ao invés de amadas.

Como já lhe disse: você é uma outsider. Bem vinda ao mundo contemporâneo, bizarramente pós-moderno.

Marcus "OROCHI" disse...

Pow, longe de mim querer ser machista, até pq não concordo com isso. ^^

Só acho que as garotas devem saber do risco de sair assim, pois sempre tem um sem-noção que justamente acha que ela "ta querendo".

Me expliquei ou só me enrolei mais? .__.'

Laila disse...

Eu entendi seu ponto de vista, e vc não me parece do perfil "machista". Quis dar o exemplo do seu comentário pq ele é bem típico: "a mulher que sai de minissaia tem que estar preparada, porque foi ela que provocou. Se ela sai assim é porque ela 'está querendo'"
Aí é que está. Esta falsa liberdade é que eu questiono.

Blog do Sarge disse...

Oi doce Laila!! Já provocando polémicas? rsrs

Ás vezes tenho dificuldade de saber o que quero ainda mais saber o que as mulheres estão querendo mas...

Tudo que, porventura, sai da boca de um homem em relação as mulheres pode parecer machista, ainda que seja elogioso ( e não estou falando de chamar de gostosa, não) falo mesmo de valores. Outra vez me sinto envergonhado ( que eu sou pra falar de valores?) mas vou lá.
Toda pessoa homem ou mulher merece respeito e antes que alguém demonstre respeito por nos devemos demonstrar respeito por nós mesmos e isso é sutil e complexo. Uma moça que exiba o corpo de forma exagerada 9 seios pulando pra fora da blusinha) dá testemunho contra si mesma a respeito do senso de respeito que deveria ter por si mesma e essa não é uma opnião de macho e sim de ser humano e compartilhada por muitas mulheres.
Como um homem que bebe demais e vive pelos cantos deve "estar preparado pelo que há de vir", como julgamento de sua conduta e o respeito que perderá ( e isso não é feminismo) também uma mulher que se expõem como no seu texto deve sim estar preparada para o que virá como disse o nosso amigo Orochi (e isso nao é machismo)
Não vejo movimentos feministas com bons olhos, nem mesmo machistas( istas me soa ruim rs) e não os vejo porque qurem transformar as mulheres na face escura dos homens e vcs são bem melhores que isso.

Bjs moça.

Estou na correria por causa do meu casamento mas logo volto a carga lá no blog do sarge rs.

Bjs

Blog do Sarge disse...

Desculpe-me pelos erros de acentuação e grafia estou um tanto ocupado e com pressa.

bjs

V.H. de A. Barbosa disse...

01 - Será que uma mulher que vai a um baile funk esta mesmo "querendo"?
R.: SIM. Explico mais abaixo.

02 - Será que por sair de minissaia ela dá a outrem o direito de compará-la a comidas e animais?
R.: SIM. E daria que direito? O de tratá-la como Madre Tereza?

1º erro grosseiro do texto: generalizar o gênero masculino.
2º: acreditar que o machismo continua reinando.
3º:tomar partido de mulheres que ao menos dão valor a si mesmas.

Se uma mulher se sentir ofendida ao ser chamada de qualquer coisa, ela pode prestar queixa e entrar com um processo contra o ofensor por injúria. A injúria independe do grau da ofensa, uma vez que ocorre o crime de injúria toda vez que alguém se sente ofendido na sua honra SUBJETIVA. Da mesma maneira se procede no Direito Civil, caso a mesma mulher pedisse danos morais, uma vez que todo dano gera a obrigação de indenizar, mas aí sim se analisaria o grau da ofensa, para se estabelecer o quantum da indenização.

Qual o problema de um homem chamar uma mulher de gostosa? Isso é um elogio. Pode ser grosseiro, mas homens não são famosos por serem delicados. Eu, particularmente, não gosto quando mulheres falam que um homem é um "pão". É a mesma sinestesia de comida, não é?

Garanto a você que são pouquíssimos homens que querem ter uma "cachorra" (isso é gíria só no RJ, te garanto) como companheira. Homens querem cachorras para transar e curtir a vida, mas preferem mulheres corretas para casar. Da mesma maneira, mulheres dizem preferir "homens cafajestes" para se divertirem.

Esses textos que envolvem questões sexuais são polêmicos na certa. Eu acho que o mundo abandonou o machismo há tempos, e os únicos lugares onde ele vigora são nos rincões da vida, onde o mínimo de conhecimento ainda não grassou. Na minha sincera opinião, atualmente o feminismo conquistou um espaço além do que deveria. As mulheres não se contentaram apenas em ter os mesmos direitos que os homens, como passaram a copiar comportamentos masculinos (acredite, uma mulher de minissaia no baile funk, em meio a homens que ela sabe que a acham cachorra e ouvindo músicas que a denigrem, está realmente "querendo") e em alguns casos a querer se sobrepor aos homens (o denominado "femismo").

Então, minha cara Laila, não gaste teclas com tais pessoas. Apenas esteja ciente de que homens e mulheres se encaram de maneiras diferentes e que os homens sabem respeitar - e muito - mulheres que dão valor a si mesmas, mesmo sabendo que elas são minoria.

Lisérgio Virabossa disse...

Suas observações são absolutamente perspicazes, sta.. Creio que ainda não superamos por completo os resquícios patriarcais que tantas raízes deitaram mormente nestas terras da Ibero-América, agravados, é bem verdade, pela transmutação de valores que caracteriza os tempos pós-modernos.
Lamento apenas que muitas mulheres acabem aceitando passivamente este revival machista de baixo nível - tão vulgarmente estereotipado nas letras de certos "funk" - que ameaça jogar por terra todas as conquistas que o gênero feminino obteve desde a década de 60.
Permita-me discordar, em parte, do comentário publicado pelo Prof. Sanger, quando afirma que estamos vivendo uma época de liberdade sexual, decorrente da revolução nos costumes promovida nos anos 60. Em minha opinião, o que hoje se verifica é um processo de presentificação e fetichização do corpo que compromete a própria libertação sexual antes conquistada pela juventude. Neste sentido, ao invés de quererem se sentir amadas ou desejadas, muitas mulheres são expostas como mercadorias, bens de consumo.

Fábio Melo disse...

Vou subir no banquinho então ...

Realmente a sociedade é machista ... porém muita das vezes, como vc mesmo diz, o PREconceito, se assim posso dizer, vem das próprias mulheres.

Isso vem desde os primórdios da sociedade, quem sabe no futuro as coisas sejam mais equiparentes.

Abraços!!!

Laila disse...

9 pessoas diferentes comentando, dos quais 7 são homens. Sinto-me em ligeira desvantagem numérica.
V.H., acho que foi bem veemente no comentário. Não generalizei o gênero masculino e nem tomei partido de ninguém. Infelizmente não tenho conhecimento da ciência jurídica, só imaginei o que seria uma situação real de uma mulher chegando numa delegacia para dar queixa de um homem que a chama de gostosa.

Isabela disse...

Eu acho q a autora do texto generalizou sim. Mas ela generalizou de maneira clara um grupo especifico de homens q hj em dia tratam mulheres q nem mercadoria de consumo. Existe tb o problema q estes homens citados no texto as vezes não sabem separar as que estao "querendo" das q nao querem nada com eles. Sinceramente, quando ouço algum homem me chamando de gostosa eu me sinto profundamente ofendida pq eu nao me encaixo no grupo das que estão "querendo". Quanto a um comentario que vi mais ai pra cima falando sobre as mulheres chamarem os homens de pão, bem, sem querer afirmar, mas pelo q eu saiba isso era uma forma das mulheres chamarem os homens a mts anos atras, acredito q se uma mulher usar este alimento para se referir a um homem será de brincadeira pq pelo amor de Deus, quem hj em dia ainda usa esta gíria?
E pra quem nao sabe, ainda existe mt mulher q nao engole "gostosa" como elogio. ;)

Rabib disse...

Tá, vou subir no banquinho... cheguei... gostei do assunto, penso que durante muitos anos a mulher sofreu uma violência velada por parte dos homens. Não havia delegacias de mulher ou sequer eram ouvidas. Porem, atualmente a mulher ganhou novos papeis sociais, são mais independentes, masi seguras... isso mexeu com o fetiche masculino, o homem teve dificuldade de entender esse papel e acha que toda mulher sensual, provocante ou segura de si "tá querendo". Seu texto é fundamental para abrir um diálogo sobre o assunto e esclarecer os maus entendidos. Em tempo, penso que alguns caras bestas lerão o seu texto, não entenderão e ainda vão falar que vc "tá querendo mas está fazendo C#$%*@% doce!". Ainda mais em tempo, pelo comentário do Marquinho Orochi, ele "ele tá querendo"!
Abração

Fael disse...

Bem, "tô querendo" subir no banquinho para lhes dizer que concordo com o texto no que diz respeito ao preconceito contra a mulher. E que também acho o vocabulário utilizado pelos homens para com as mulheres muito vulgar (e rídiculo).

Mas, de fato as mulheres que vão ao baile (funk ou não) com sainha mínima e uns decotes estravagantes "tão querendo". Agora, como disse alguém aí em cima, "tão querendo", mas geralmente não estão querendo qualquer um.

Por isso, não vejo mal nenhum em estarem querendo, desde que estejam realmente querendo alguém específico e não qualquer um.

Bom, já disse o que "tava querendo".