quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Oferenda

Ela nunca tinha sido muito afeita a filosofias, mas diante daquela explosão de apelo visual não resistiu, parou e foi admirar e refletir.
Era, de fato, uma beleza.
Alegre, festivo, uma profusão de formas esculturais, quase arquitetônicas, que se erguiam e curvavam em direções diversas. Tudo era colorido e sinuoso. Que ostentação de luxo!
Tudo que era relativo à reprodução da espécie, ao invés de coberto, oculto, era ali exibido com orgulho.
Efêmero, sem dúvida. Não duraria mais que cinco dias. Mas, durante aquele curto tempo, seria como uma oferenda à potestade dos sentidos, a visão.
Primeiro, ela pensou que aquela beleza toda só poderia ser divina. Depois, perdida nas suas divagações, concluiu que aquele excesso sensorial não poderia ser etéreo: era carnal demais.
Isto é, se fosse carne, se fosse humano.
"Mas que belo arranjo", pensou.
Ajeitou a jarra de flores para um ângulo mais favorável na mesa e foi atender ao telefone.

8 comentários:

Marcus "OROCHI" disse...

Ok... confessor que nos três primeiros parágrafos eu fiquei um pouco assustado com o texto, mas me tranqulizei dps. Final inusitado. xD

Isadora disse...

Lindo,como sempre.

"O único mistério é haver quem pense no mistério." (Fernando Pessoa)

V.H. de A. Barbosa disse...

Isto é um cenário em que as donas de casa leriam poesia e fossem fãs de filosofia?

Laila disse...

Sim.
Por quê?
Mulheres "do lar" têm de ser sempre inteligências medíocres?

Lisérgio Virabossa disse...

“Por muito tempo tenho por máxima que são justamente as coisas pequeninas que infinitamente mais valor têm”
(Sir Arthur Conan Doyle, via Sherlock Holmes)

a transviada disse...

muito bonito!

Anna Paula disse...

Foi ela quem fez?
Sim.... talvez tivesse outra visão a respeito....

Ben Harries disse...

caramba, fiquei meio confuso, depois me achei e no fim gostei bastante. o texto era bem poético, e mostra como existem vários autores bons, desconhecidos no Brasil. Vc escreve muito bem. Dá uma olhada no meu blog tbm e me diz oq achou, deixa um comentário...