quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Carta aberta aos filhos de 1990-91

Sabe o quê? Às vezes eu acho a minha geração um saco. Vou dizer uma coisa: eu tenho vergonha da época em que nasci. Nós vimos tantos desastres, tantas invenções incríveis, tanta tecnologia, tudo tão fácil, tão perto, que nada mais tem graça.

Vocês querem saber de quem é a culpa? É lógico, é tão típico nosso querer culpar alguém (embora não seja nenhuma exclusividade dos nascidos pós-muro de Berlim). Não sei de quem é. Nossos pais viram a ditadura, viram as Diretas Já, viram o tal muro cair. E gritaram, levantaram bandeiras, usaram cabelo crespo e pintaram a cara. Os pais deles não eram tão acostumados com liberdade. Eles tiveram que consegui-la palmo a palmo.

E nós? Nos deram bem mais liberdade desde que nascemos, e o que fizemos com ela? Cobrimos com catchup e fomos para a sala ver TV. Foi tudo tão fácil que perdeu o valor. Depois de tanto tempo exigindo a participação nas eleições, hoje os jovens não querem tirar título ou votam em branco. 00 confirma.

Nunca vi gente mais apática. Quem tem ideologia é alien. Não é mais nerd, porque nerds são os alienados que passam 6 horas e meia no colégio e mais 5 em casa estudando. E são tão valorizados.

Geração platéia. Viramos uma meta-juventude sem metas. Nós não queremos mudar o mundo, nós desistimos do love and peace, nós abandonamos a luta de quem veio antes. Nós queremos o baile nos finais de semana. A cerveja, o cigarro ocasional (porque ninguém se assume fumante). Nós queremos nossa vaga na federal a qualquer preço. Dane-se o resto do mundo. Nós somos nada. Porque não somos nós, somos eu. Cada um por si. Não são mais os camaradas, a turma, a tribo. No singular sempre.

Não estou generalizando aqui, até porque eu não concordo com a maioria do que disse aqui. Acredito que se tiver alguém me lendo, também não concorde. Mas somos exceções e, como disse meu professor de História, elas só confirmam a regra.

Pois então, pra essa gente que se perdeu entre seus créus e céus, um apelo. Olha só como vamos entrar na História. Essa geração onde (quase) todos são os mesmos, e que apesar de tudo o que fizeram por nós continua vivendo tão, tão pior que os nossos pais.

11 comentários:

Marcio Sarge disse...

Oi moça, é com prazer imenso que volto aqui, só pra me deparar com esse texto e te aplaudir, mas...
Comentou em meu blog que iria me sentir agradecido por ter nascido antes dos anos 90, nem tanto.
Sou nascido em 80, ou seja, dez anos antes. Concordo que nasci em uma década de maravilhas, muito dos direitos conquistados e avanços sociais nasceram junto com os anos 80, acontece porém que eu só era uma mera criança nessa década, recebi tudo de mãos beijadas como o resto de minha geração.
Crescemos e quando é chagada nossa hora de fazermos diferentes de nossos pais, como pede a canção, regredimos, nos tornamos apáticos, inoperantes, fantoches.
Minha geração envergonha todo sangue é lágrimas que foram derramados.
Infelizmente a geração de 90 anda pela mesma seta que as de 80, tenho muitos amigos entre 18 e 19 anos e sei o que falo.
Mas é bom que ainda exista garotas como você.

Parabéns.

Anônimo disse...

A ponte é a travessia responsável pela passagem de um lado pro outro. Sem ela a passagem seria dura ou, quem sabe, poderia não acontecer...
Essa geração é, justamente,a ponte, é a transição de uma geração a outra.É a travessia questionadora, reflexiva se preparando para um mundo novo..
Tudo a seu tempo e hora...

bjim
Parabéns mais uma vez pelo texto e reflexões!

Anna Corbo disse...

anônimo não! sou eu rsrsrs

Marcio Sarge disse...

Moça? Você anda divulgando isso aqui?
bjs

Laila disse...

pouco...

Marcio Sarge disse...

Sim Laila. Os "Causos do menino que crescia" é uma série de número indeterminado que falo como eu me virava com as mulheres e outras coisas quando era mais novinho, na adolescência.

Beijos.

Ps. Deveria divulgar mais seu banquinho, moça.

Marcus "OROCHI" disse...

Belo texto, Laila.
De fato, nossa geração pegou a coisa toda pronta, e isso nos fez acomodados.

E fato: hj em dia, pensar nisso é
crime! xD

T+, bjs.

http://chamandocoringa.blogspot.com/

Marcio Sarge disse...

Nada muito complicado,moça. Participe de comunidades de Blog no Orkut. Comente nesses nos blog de pessoas ali e receberá feedback, mas seja criteriosa, há muita coisa ruim, mas vai encontrar coisas boas, de seu gosto, seja fiel e honestos com eles e receberá o mesmo tratamento.

Quando ver vai ter um publico formado.

Bjs.

Sanger/Regnas disse...

Olá, de novo!!
O seu texto está muito pessimista, mais ânimo. A sua geração esta vivendo no "olho do furacão". São tantas formas diferentes que nós temos para apreendermos as coisas que, sem explicação, estamos nos ausentando de saber. É mais ou menos aquela história do barco que não sabe para onde quer chegar, sendo assim fica navegando por um lado e outro sem rumo.
Mas, algo muda!!!! Será????
Abraços!!!

Isabela disse...

adorei seu desabafo, colega!!
concordo com vc em praticamente td!!!
ngm merece uma geração tão sem ação quanto a nossa
=/

Sérgio Mayrink disse...

Sem dúvidas quem tem tudo "na mão" não dá valor ao que foi conquistado por pessoas como nós, que lutaram por direitos que hoje, ao olhar do povo, são uma chata obrigação. Mas, aposto que se o voto fosse Obama x Mccain, todos iam querer votar. Maldita colônia cultural!