quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Não basta

Agora que passaram as eleições municipais eu posso escrever em paz sem parecer que estou fazendo campanha contra ou a favor de alguém.




Então vim trazer um ponto de vista sobre os discursos que eu ouvi aqui e acompanhei pela televisão. Estou decepcionada com as mulheres candidatas. Profundamente. Com elas, com os jovens, com os negros e todos. Todos que já foram (ou ainda são) minoria na política me decepcionaram. Simplesmente porque (não estou generalizando!) não foram o bastante.


Fazer preconceito de pedestal não é meu tipo de campanha. Por exemplo, sempre achei que quando alguém, se candidata é porque tem algo a fazer no poder. Então acho um absurdo uma mulher se candidatar e dizer: "Vote em mim porque sou mulher, sou minoria na política e vou realizar uma mudança". Como se bastasse ser mulher! Não basta! Tem que ser uma mulher COM PROPOSTAS, alguém que vá FAZER em vez de SER. Mesma coisa para os jovens, porque alguns chegam lá e dizem: "Fala sério, ninguém merece, vote em mim". Fala sério digo eu!


Fazendo este tipo de discurso, as pessoas acabam propiciando que os outros critiquem dizendo que as minorias não têm capacidade de governo. É claro que têm! Mas para isso, precisam amadurecer.


Sobre as eleições nos EUA, fiquei chocada. As pessoas aqui se interessam pelas eleições de lá e esquecem dos candidatos daqui. E torcem pelo Barack Obama, não porque ele tem boas propostas (e tem), mas porque ele é negro. Somente por isso. Acho o máximo políticas internacional, mas isso só prova o quanto de preconceito ainda existe. Porque ele não é tratado como candidato respeitável, como igual. É tratado como exceção. E digo a mesma coisa das mulheres, pra ninguém dizer que eu estou sendo racista ou ofendendo minha classe.


Qualquer minoria nos partidos, sejam os jovens, os negros ou as mulheres tem plena capacidade de governar e exercer. Mas, para isso, têm que saber fazer mais do que simplesmente dizer: "Sou diferente, vote em mim". E falo isso na condição de mulher e jovem que sou.

6 comentários:

Isabela disse...

adoreeeeeeeeeeeeeeeei o blog!!!!
continua com ele , força na piruca xuxu!!!
ahuahuahahuahauhauha

Anna Corbo disse...

gostei do seu sensível ponto de vista!

voto em vc!
bjs

Marcelo disse...

O nome disso é muleta ideológica. Quando o cara não tem nenhum ponto a se amparar, apoia-se numa dessas muletas. E piora tá! Essas pessoas se valem disso para tirar proveito. Se são demitidas dizem:

Demitiram-me porque sou negra, ou porque sou mulher, ou porque sou gay, ou porque sou X... fazem um discurso em que se colocam como coitadinhos e conseguem, muitas vezes, esconder toda sua incompetência e mau caráter.

Pois é... o mundo é assim que a banda toca no mundo dos adultos. Bem-vinda!

Em tempo:
Gostei do seu jeito de escrever, vim aqui indicado pela Anna Corbo (minha aluna na faculdade) e gostei do que li.
Você é fera, garota!
Parabéns.

Marcelo Leite

http://sacodefilo.blogspot.com

Laila disse...

Muito obrigada pelo incentivo, gente!
Voltem sempre
=)

Sanger/Regnas disse...

O Obama é o nosso queridinho não só pelo fato de ser negro, ele é jovem, carismático, possui uma equipe de marketing muito boa e, o principal, é a antítese de George W. Bush!!!

Você observou bem!! Isso chama-se "política de identidades". Como não temos tempo para conhecer melhor os políticos, escolhemos por "afinidade". E não é só pelas minorias: por religião, time de futebol, amizades.....

É coisa de louco, mas.........
Abraços!!!

Laila disse...

Eu também gosto do Obama... sem dúvida ele é um cara carismático. Se bem que, com a verba de campanha que ele tem, até eu!
Eu desaprovo é a torcida infundada, do povo que não sabe nem qual é o partido dele.