segunda-feira, 20 de julho de 2009

Falsos pudores

Pudor: sm 1 Sentimento de pejo ou vergonha, produzido por atos ou coisas que firam a decência, a honestidade ou a modéstia.
3 Pundonor, recato, seriedade.


Nesses programas "reality show", entre outros assuntos altamente filosóficos, fala-se muito em combater os falsos pudores. Por falso pudor o senso comum entende "uma atitude que você tomaria em casa ou entre seus amigos mais próximos e que não externa no meio da sociedade por vergonha". Há até quem diga que o falso pudor é um tipo de falta de caráter. E o pudor verdadeiro? Alguém sabe diferenciar um do outro? Nessa de "tirar as máscaras" as pessoas não abrem mão só do falso pudor: existe gente (e não é pouca!) sem pudor algum.

Levanto outra questão: e o pudor inverso? Gente que é por demais séria ou recatada em casa, entre os amigos, mas quando chega na sociedade tem que aprender a se soltar para não ser acusada de conservadorista ou falsa moralista. Eu já passei muitas vergonhas por ter vergonha. Já tive que me desculpar por não gostar de palavrão, já tive que justificar outras tantas vezes porque não gosto da dança do créu e até por causa de um post aqui no blog já tive que ouvir que gostosa é elogio sim!

Então é o fim dos "filtros"? Quer dizer então que é muito mais verdadeiro portar-se da mesma forma em todos os lugares, sem o mínimo de preocupação com a linguagem, com os gestos e até com as roupas? E olhe que pudor não é só a vergonha produzida pela moralidade e pelos costumes. Como a própria definição da palavra diz, pudor é também ter vergonha de atos que firam a honestidade.

Antes falso pudor que pudor nenhum. E digo mais: o "falso pudor" não é nem falso, pois nada mais é do que ter vergonha de ter certas atitudes em público. O verdadeiro falso pudor é fingir que se tem vergonha de algo que não tem.

O que falta neste mundo, neste país, nesta sociedade é uma boa dose de pudor. Vergonha na cara, se quiserem uma expressão mais direta. E isso para qualquer ocasião: seja para saber que nem todo mundo que vai à praia quer se deparar com um topless, que grande quantidade de mulheres não gosta de ser despida com os olhos, que nem todo mundo acha graça em piadas sujas, ou mesmo para não saber onde enfiar a cara quando se é pego fazendo algo que contrarie "a decência, a honestidade ou a modéstia".
Bom senso não basta. Tem que ter muito pudor.
Verdadeiro.

4 comentários:

Marcus "OROCHI" disse...

Mais uma questão deliciosamente complexa. Eu já passei por situações estranhas por ter certos pudores às vezes. Chega a ser uma coisa estranha, pois eu sou o típico palhaço, mas acho q piadas sobre sexo, por exemplo estão longe de serem as melhores, sempre fui mais adepto ao humor nerd/nonsense.

Enfim, há situações onde o pudor pode também ser um "inimigo". O importante, como quase tudo nessa vida, é saber dosar bem os momentos em que devemos ligá-lo ou não. ^^

Laila disse...

Humor nerd rules!!!
=D
(não é, Dora?)

fael disse...

quem tem bom senso tem a dose certa de pudor, pois do contrário não teria bom senso. Afinal, a dose certa de pudor é uma propriedade do bom senso.

Lena Sousa - disse...

Muito interessante este tema, estava com a pulga atrás da orelha, um colega disse: deixamos de falsos pudores, falou por diante da minha postura de não gostar de comprar dvd/cd piratas.Visto que não tive oportunidade de lhe responder fiquei intrigada com o passar das horas e este artigo veio reforçar meu conceito, pudor.
Tenho deparado com muitas destas situações e normalmente não tenho vergonha de deixar claro meu principios.
Também acredito que dependendo dos principios/conceito/cultura da pessoa há diferença do que é pudor ou falsos pudores.
Lena Sousa
Cuiaba/Mt

Bjs