quarta-feira, 12 de agosto de 2009

O Baú de Espantos e o PC

Se cada um de vós, ó vós outros da televisão
- vós que viajais inertes
como defuntos num caixão -
se cada um de vós abrisse um livro de poemas...
faria uma verdadeira viagem...
Num livro de poemas se descobre de tudo, de tudo mesmo!
- Inclusive o amor e outras novidades.
.
Invitatión au voyage, Mário Quintana em Baú de Espantos.
.
.
Quando Baú de Espantos foi publicado, em 1986, Quintana, os poetas e o mundo estavam preocupadíssimos com o quanto as pessoas renunciavam à "vida lá fora" em nome da televisão.
Pobre Quintana, pobres poetas, pobre mundo! Eles não esperavam pelo personal computer! Ou pelo menos não pelo sucesso que este faria. Nossos amados computadores agora são muito mais do que tvs: são também tvs e são livros e são rádios e são vitrolas, telefones, máquinas fotográficas, amigos e amores.
Bom ou ruim? Outros já falaram sobre isso mais e melhor que eu, então não vou perder meu tempo e o leitor também provavelmente já tem sua opinião formada.
Na verdade, me alongo à toa. Este poema é a minha desculpa. Tenho ficado muito tempo sem postar e fico me sentindo culpada. Mas é por nobre causa! É pela nobreza de um livro de poemas, de uma composição do Villa-Lobos e da companhia dos amigos.
Ó, leitor! Vá abrir um livro de poemas! Me sinto honrada com a sua companhia, mas não deixe seus poetas, seus músicos, seus amigos e amores para ficar no computador! Vá para eles! E quando estiver cansado ou tiver vontade, volte. Nos veremos de novo, ambos ainda mais repletos de poesia, de música, de amizade e amor.
Boa viagem.

5 comentários:

Edison Junior disse...

Depois eu vou ler o livro de poemas, por enquanto estou lendo uns blogs legais como o seu. Há tempo para tudo o que vale a pena.

FERNANDO disse...

Exato.

Antônia Burke disse...

Tenho que concordar com o Edison, por enquanto tô bem por aqui!

Beijos e boa sorte com os compromissos!

Marcus "OROCHI" disse...

O computador hoje em dia está mais para uma faca de dois gumes. De um lado, pode sim separar as pessoas, mas por outro pode unir. Quanta coisa eu não saberia e quantos amigos de verdade eu não teria conhecido se não fosse a "internerd"? xD

E mais uma vez, sigo a filosofia budista que o importante é seguir o caminho do meio, sem exageros para o lado ou para outro.

Isadora disse...

o computador se tornou uma ferramenta fundamental hoje em dia...o problema é que esse "fundamental",se tornou um hábito,e trocamos poesias, música,pessoas em detrimento da tecnologia!
=/